Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sequin - Heart to Feed

por Cláudia Matos Silva, em 17.07.14

 

Sequin desvenda “Heart to Feed”

Antes da passagem pelo Milhões de Festa, Ana Miró mostra o segundo single extraído de Penelope.

 

“Heart To Feed” é daqueles temas que se colam à pele, não só pela sua sensualidade, mas também, e sobretudo, pela sua familiaridade. Todos nós já passámos por situações como as retratadas: o amor que escapa por entre os dedos, sem nada mais a fazer. Aqui, em formato de música, este coração é explicado com negritude, mas (e simultaneamente) com a hipótese de dançarmos e expurgamos as dores.

Com a chegada do Verão e de uma significante ronda de concertos, Sequin apresenta o novo single extraído de “Penelope”, o seu disco de estreia, editado em Abril com o selo da Lovers & Lollypops. “Heart To Feed” foi realizado por José Lemos e, tal como o tema que ilustra, observa as relações humanas à lupa.

 

Ana Beatriz Rodrigues

 

TOUR Sequin

26 Julho/ Festival Oito20e4, Espinho

27 Julho/ Milhões de Festa, Barcelos

16 Agosto/ Fusing, Figueira da Foz

22 Agosto/ Festival Alcains, Castelo Branco

23 Agosto/ Vodafone Paredes de Coura, Paredes de Coura

Autoria e outros dados (tags, etc)

Global village pela Enchufada

por Cláudia Matos Silva, em 16.07.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fausto Bordalo Dias, representante da cultura e da música portuguesa, encerra as Festas de Lisboa’14 no dia 3 de Junho, às 22h, na Torre de Belém. A entrada é livre.

 

Dia 3 de Julho, tendo como cenário a Torre de Belém, Fausto Bordalo Dias leva-nos “por este rio acima” num concerto que encerra mais de um mês de Festas de Lisboa’14

Fausto Bordalo Dias, representante da cultura e da música popular portuguesas, propõe-se neste espectáculo a revisitar os discos que compõem a sua trilogia sobre a diáspora lusitana: Por este rio acimaCrónicas da terra ardente e Em busca das montanhas azuis.

Neste concerto, como em cada álbum de originais que compõe, Fausto Bordalo Dias vai contar-nos uma história, da primeira à última canção.

 

Ao palco subirá também a banda convidada Boémia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Programa Optimus Alive 2004

por Cláudia Matos Silva, em 30.06.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festival Musa em Cascais

por Cláudia Matos Silva, em 28.06.14
LINE UP PALCO MUSA CASCAIS:

DIA 4 DE JULHO:
- KONSHENS
- KABAKA PYRAMID (estreia PT)
- JAH9 (estreia PT)
- META & THE CORNERSTONES (estreia PT)
- DENTINHO & THE PROMISED LAND
- KWANTTA 
DIA 5 DE JULHO:
- ALPHA BLONDY
- THE GLADIATORS feat. DROOP LION
- RAGING FAH (estreia PT)
- FREDDY LOCKS
- ANIMAL FOUNDATION
- JIMI JAH & THE URBAN BAND


A 16ª edição do FESTIVAL MUSA CASCAIS acontece já nos dias 4 e 5 de Julho, em frente à praia de Carcavelos.
O Festival com melhores vibrações e sustentável de Portugal reúne música de excelência aliada a uma fantástica localização à beira mar.
Produzido pela Criativa (associação sem fins lucrativos) e assente numa base de voluntariado, o MUSA CASCAIS ganhou o ano passado o prémio de FESTIVAL MAIS SUSTENTÁVEL do Portugal Festival Awards.

É intenção do Festival promover uma sociedade mais consciente dos desafios globais, aliando música e criatividade numa experiência de cidadania global.

As portas abrem às 16h e com música non-stop desde o inicio até ao fim no PALCO HEINEKEN sounds by ROOTS DIMENSION(soundsystem) e no PALCO BASS STATION powered by BADMOOD 
(dubstep, drum'n'bass, trap e tropical bass).

Este ano o cartaz apresenta, uma vez mais, um lineup de luxo no panorama do reggae e conta com nomes como ALPHA BLONDY,KONSHENS, THE GLADIATORS feat. DROOP LION e FREDDY LOCKS e também algumas estreias em Portugal de estrelas do reggae Jamaicano, como KABAKA PYRAMID, JAH9, META & THE CORNERSTONES e RAGING FYAH.

Além dos headliners de peso já apresentados, iremos ainda sentir as boas vibrações no PALCO MUSA CASCAIS (Main Stage) deANIMAL FOUNDATION, DENTINHO & THE PROMISED LANDJIMI JAH & THE URBAN BAND e KWANTTA.

Para o MUSA CASCAIS a cultura tem que estar ao acesso de todos. Desta forma, o BILHETE DIÁRIO tem o valor de 15 eur e o PASSE 2 DIAS o custo de 20 eur
Uma vez mais o FESTIVAL MUSA CASCAIS vai ter zona de campismo e o PASSE CAMPING custa 25 eur. Para quem gostar de glamping o MUSA CASCAIS oferece a possibilidade ao público de pernoitar nos quibis (casinhas de madeira) ou nos tipis (tendas de índio). Os preços especiais para esta alternativa podem ser consultados no site 
festivalmusacascais.bilheteiraonline.pt, FNAC, Worten, El Corte Inglés, SportZone, CTT e na bilheteira nos dias do evento.

CP é novamente o transporte oficial do FESTIVAL MUSA CASCAIS. Além dos comboios especiais às 04h30 na linha de Cascais com paragem em todas as estações, o público que apresentar o BILHETE/PASSE MUSA nas linhas de comboio da CP de Cascais, Sintra, Azambuja e Sado tem direito ao bilhete ida e volta pelo valor de 1 eur.
Esta é a forma mais ecológica, económica e segura de deslocação para o Festival.

****

E é já no próximo dia 29 de Junho que acontece a REMADA MUSA CASCAIS 2014. Organizada pelo Surfing Clube de Portugal a REMADA inícia pelas 15h e acontece entre a Baía de Cascais e a Praia de S.Pedro do Estoril
Metade do oxigénio que respiramos é proveniente dos oceanos. Esta acção procura alertar consciências e trazer luz à questão da poluição dos oceanos. A actividade é aberta a todo o público e as informações completas podem ser vistas em 
www.festivalmusa.org.

Preocupas-te?
ESTAMOS JUNTOS!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda Feira da Buzina

por Cláudia Matos Silva, em 27.06.14


Autoria e outros dados (tags, etc)

Vicious V no Santiago Alquimista

por Cláudia Matos Silva, em 27.06.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ciclo cinema Nimas - Julho

por Cláudia Matos Silva, em 27.06.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lisboa MIstura hoje no Largo do Intendente

por Cláudia Matos Silva, em 26.06.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

'A Acompanhante' no Teatro Aberto

por Cláudia Matos Silva, em 25.06.14

 

A ACOMPANHANTE, de Cecília Ferreira 

Peça Vencedora do Grande Prémio de Teatro Português 2013 - Teatro Aberto | SPAutores 


FICHA ARTÍSTICA

Encenação GONÇALO AMORIM 
Cenário e Figurinos CATARINA BARROS 
Música JOANA SÁ | LUIS MARTINS 
Luz JOSÉ MANUEL RODRIGUES 
Sonoplastia SÉRGIO MILHANO 

Com MÓNICA GARNEL 

SINOPSE
Toda a gente sabe que Luzia não está cá, que se mudou para Genebra e está lá muito bem. Ou será que não? 
Ela, que conhece tantos nomes, tantas histórias, tantos homens, está cansada. Das rotinas, do telemóvel a tocar, dos sonhos que foram sempre tão grandes na sua cabeça e tão difíceis de viver. Da solidão que se entranhou no seu corpo.
Mas, hoje, Luzia já não vai continuar à espera: prepara-se energicamente para o grande final e, enquanto o faz, sente-se mais viva do que nunca.
Uma peça de devaneio, desespero e ternura, onde mil e uma histórias se animam nas acrobacias arriscadas e surpreendentes em que esta mulher se desdobra e se entrega a todos os desacompanhados.

ESPECTÁCULOS
4ª a Sábado às 21h30 
Domingo às 16h
M/12

BILHETEIRA
4ª a sábado das 14h às 22h00; domingo das 14h às 19h
Reservas 213 880 089 ou bilheteira@teatroaberto.com 
www.bilheteiraonline.pt | FNAC | ABEP | CTT | El Corte Inglés (Lisboa e Gaia) 

PREÇOS
Normal - 15 €
Jovem (até 25 anos) – 7,5€
Sénior (mais de 65 anos) – 12 €

Autoria e outros dados (tags, etc)

LISBOA MISTURA

por Cláudia Matos Silva, em 25.06.14

O Lisboa Mistura tem-se afirmado, desde 2006, como um projecto intercultural com um sólido percurso que se renovou em 2013, assumindo-se como espaço cultural destinado ao conhecimento e à inscrição de novas linguagens e tendências culturais. A programação, situada nas “músicas do mundo”, centra-se este ano nos cruzamentos entre Europa e África. Os espectáculos terão lugar entre o Castelo e o Intendente, fóruns de uma cidade contemporânea e diversa que reafirma inequivocamente a nossa vocação de cidade-mundo. Numa abertura programática às “electrónicas do mundo”, teremos este ano na programação central uma exploração de ritmos do mundo cruzados com electrónica de cadência dançante. Esta nova dimensão reforça a projecção de Lisboa como uma das capitais europeias onde se fazem os cruzamentos mais emocionantes da música electrónica de dança. 

Tal como em anos anteriores os artistas convidados revelam-nos as condições dos seus bairros ou dos seus países e o estado das suas criações e a diversidade dos seus ritmos numa procura de linguagens universais. Curiosa esta Lisboa, cidade cosmopolita que convive desde sempre com outras culturas, convida e mistura gentes de outras geografias que se mitificaram na Cidade.Integrada na programação e fruto do trabalho desenvolvido pela
Associação Sons da Lusofonia, a OPA – Oficina Portátil de Artes encontra mais uma vez o palco de exposição único no Lisboa Mistura. Este que é um importante projecto pedagógico e artístico de raíz intercultural, traz jovens artistas de bairros de Lisboa e da periferia da Cidade, a palcos centrais, num encontro de pessoas e artes performativas. Este ano cerca de 100 jovens apresentam os seus trabalhos performativos e um espectáculo sob o tema “20/40 – 20 Anos do Hip Hop em Portugal/40 anos do 25 de Abril”. Este processo cruza a pedagogia com a experimentação artística e conta com a participação de artistas convidados de renome.Este ano teremos ainda residências artísticas, debates, a Festa Intercultural e uma apresentação de Cozinhas do Mundo: outras formas de nós e os visitantes de Lisboa sentirem a mistura da cidade. Ano após ano, o Lisboa Mistura tem procurado crescer, com a ajuda da cidade e dos seus públicos diversos, sempre com o intuito de cativar cada indivíduo a ser um actor consciente da sociedade onde se insere.

 

Director Artístico, Carlos Martins

 

26 JUNHO
BOMBINO
NIGÉRIA
LARGO DO INTENDENTE, 22H

 

Omara “Bombino” Moctarin, conhecido como o “Hendrix do deserto”, é membro dos tuaregues Ifoghas, povo nómada descendente dos berberes do Norte de África que, durante séculos, lutou contra o colonialismo e a imposição da lei islâmica estrita. Foi com uma guitarra que encontrou abandona-da que aprendeu a tocar, num dos exílios que, enquanto tuareg, foi obrigado a fazer, com a família. Na sua adolescência, vivida entre a Argélia e a Líbia, assistiu com os amigos vezes sem conta aos vídeos de Jimi Hendrix ou Mark Knopfler. Bombino trabalhou como músico e, no deserto perto de Tripoli, também como pastor, passando muitas horas sozinho, praticando a sua guitarra. No regresso a Níger, o seu nome ganha notoriedade, e uma equipa espanhola que ali rodava um documentário, ajudou Bombino a gravar o seu primeiro álbum, que se tornou um hit local. O guitarrista e cantor tuareg gravou um novo álbum, Nomad, em Nashville, no estúdio de Dan Auerbach, dos The Black Keys, que também produziu este trabalho. Nomad foi lançado em 2013 pela Nonesuch Records e, desde então, continua nos tops internacionais da música do mundo.

 

 

27 JUNHO
KAZIMOTO
ALEMANHA
LARGO DO INTENDENTE, 22H

Kazimoto é nome do projecto que junta os Gebrüder Teichmann aos Jagwa Music. O projecto Gebrüder Teichmann, composto pelos irmãos Andi e Hannes Teichmann, está inscri-to, desde os anos 90, na cena clubbing do underground de Berlim. Através dos projectos musicais na Índia, Paquistão, Filipinas e mais recentemente em África, procuram reafirmar o seu cariz multicultural. Desde 2010 organizam com o Goethe Institut de Nairobi aquele que é o seu maior projecto – o NRBLN/ BLNRB. Este projecto que conta com a curadoria dos irmãos Teichmann, pro-cura criar pontes entre a música e a cultura com origem em Berlim e Nairobi. Os Jagwa Music são o expoente máximo do Mchiriku, registo musical explosivo originário da Tanzânia. Percussões minimalistas e teclados portáteis Casio são os ingredientes desta receita sonora, conhecida como “nu-rave” africana ou “tecno artesanal”. Kazimoto alia dois continentes, dois universos musicais, num projecto que procura ultra-passar barreiras e redefinir fronteiras musicais.

 

 

 

27 JUNHO
JUPITER & OKWESS 
INTERNATIONAL 
CONGO
LARGO DO INTENDENTE, 23H15

 

Jupiter & Okwess International são os representantes da nova cena musical de Kinshasa. O seu trabalho resgata rit-mos e melodias congolesas esquecidas, envolvendo-as no groove que a cidade exala. A banda é liderada por Jupiter Bokondji, músico que viveu as décadas de 70 e 80 na Berlim do pós-guerra, tra-zido para a Europa pelo pai, assisten-te executivo da Embaixada do Congo na Alemanha. No regresso ao Congo, Jupiter trouxe consigo as influências musicais que absorveu neste período, ficando maioritariamente marcado pelo rock americano e europeu. A nova realidade da República Democrática do Congo tem sido fértil em fenómenos musicais de sucesso mundial e, a par dos Staff Benda Bilili, os Jupiter & Okwess International são disso um laro exemplo. Jupiter trabalhou com Damon Albarn (Blur) em projectos como o álbum DRC Music – Kinshasa One Two, da Warp Records e, em 2012, in-tegrou a Africa Express Tour, no Reino Unido, a convite do músico. A banda congolesa tem acompanhado os músi-cos Amadou & Mariam (Mali), nas suas digressões mundiais, e alguns dos seus temas emisturados por artistas como 3D (Massive Attack), Spoek Mathombo, Aero Manyelo ou DJ Mo. Este é o primeiro concerto da banda em Portugal.

 

 

28 JUNHO
GENERAL D + CONVIDADOS
MOÇAMBIQUE, PORTUGAL
LARGO DO INTENDENTE, 22H
CONVIDADOS
NBC, BOSS AC, HALLOWEEN, RAPPER JAMAICANO EL CRISIS, FAMILY, SAM, SHAKA, VALETE, CHULLAGE, JUSTINO DELGADO

 

“Não poderia ignorar a comemoração dos 20 anos do início do que eu chamo de a nossa revolução cultural onde jo-vens de 18 -19 anos decidiram transfor-mar rimas poéticas em armas de questionamento das estruturas sociais, económicas e politicas. Vinte anos de-pois a mesma postura de questionamento e busca pela transformação social através da música é ainda relevante e indispensável para o desenvolvimento de cada um de nós como indivíduos e como membros duma comunidade. A nossa realidade cultural e social está em constante expansão e a intercolaboração é sem dúvida o mecanismo de maior eficácia para o alcance dos nossos objectivos. O projecto Lisboa Mistura reflecte toda a minha intenção numa só frase “A poesia continua…”

 

 

MUSICBOX, 00H

Lisboa, enquanto ponte priviligiada para o Mundo está finalmente a ganhar uma textura de expressão electrónica com capacidade para conquistar a uma escala planetária. E é da periferia da cidade – sim, nos bairros que a grande maioria só conhece pelo nome – que estão a chegar (alguns dos mais emergentes e interessantes artistas europeus. Musicalmente, o manifesto contém um pouco de tudo: a escola do hip hop americano e da ghetto life, o techno europeu, a periferia enquanto centro do mundo de quem a habita, e a antropolo-gia. Nomes como Buraka Som Sistema, Dj Marfox ou Nigga Fox têm contribuído – e de forma efectiva – para o desenvolvimento para aquilo que procuramos há alguns: o que é o som de Lisboa. Se começou com General D, hoje passa pelos heróis acima mencionados. Por enquanto a estrada ainda não tem fim, ainda estamos em descoberta e à procura de de-
finições que nos façam sentir orgulho de gritar a qualquer visitante: isto é Lisboa. É com a certeza de que em 2014 o underground europeu cresce e passa pela capital que encerramos o Lisboa Mistura.

Bilhetes Musicbox

 

26 Junho
Gebrüder Teichmannn djset
+ Jorge Caiado
27 Junho
French Beats:
Baadman + Don Rimini
28 Junho
Nova Electrónica Portuguesa:
General D e Convidados

 

OPA

Oficina Portátil de Artes
Largo do Intendente

 

A OPA, um projecto pedagógico e artístico de raíz intercultural promovido pela Associação Sons da Lusofonia, traz jovens artistas de bairros de Lisboa e da periferia da Cidade, a palcos centrais, num encontro de pessoas
e artes performativas. Abrem-se assim caminhos na criação de manifestações artísticas daqueles que têm menos oportunidades de integrar o panorama criativo e cultural da cidade. As OPA terão este ano sessões de trabalho formativo e de criação realizadas por um colectivo de jovens artistas, seleccionados em cruzamento com artistas convidados, cujo resultado final conta com uma apresentação ao público, sob a forma de um espectáculo interdisciplinar que pretende comemorar os 20 anos do Hip Hop Português e os 40 anos do 25 de Abril. Esta apresentação está integrada na programação do Lisboa Mistura.
23, 24, 25 Jun / Jui
19h
Apresentações

No Limits, Estraca, CLK, g-Family, Tribo Urb, Bónus, JDN, DJ Fernando, Poética Família, Putos com garra, Kukinas, Badjo Pa Dianti, Balamukas, grupo de Dança da Afa, Capoeira Alto Astral

 

Bairros

 

Alta de Lisboa, Ameixoeira, Cova da Moura, Intendente, Galinheiras, Marvila
26 Jun / Jui
20h
20/40 – 20 Anos de Hip Hop em Portugal / 40 Anos do 25 de Abril

Com:
DJ X-ActoStereossauroONYX
Direcção Artística: Francisco Rebelo
Entrada livre

 

29 Jun / Jui

FESTA INTERCULTURAL

Martim Moniz
19h

O Lisboa Mistura tem incluído desde o início na sua programação a Festa Intercultural com participantes da Ucrânia, Índia, Guiné, China, Moldávia, Brasil, Espanha, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Portugal, entre outros.
Desde a Dança do Leão (China) até às Batucadeiras (Cabo Verde) existe na Grande Lisboa uma prática artística que muitas vezes não sai dos bairros dos seus praticantes. Por isso o Lisboa Mistura tem organizado um conjunto e actividades que passam por encontros, oficinas criativas com jovens e adultos dos bairros e actividades que servem para explorar as várias dimensões culturais dos lisboetas de várias geoculturalidades que habitam na AML. Falamos de música, de dança, de comida e de outras expressões artísticas que nos levam a viajar noutras cidades dentro da cidade de Lisboa.

 

Bambaram
Guiné
Batucadeiras
Cabo Verde
Capoeira Alto Astral
Brasil
Hora Moldovenilor
Moldávia
Lajja Sambhavnath/Comunidade Hindu
Índia
Lua – grupo de Música e Danças de Lisboa
China

 

Mais Informações

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

30º FESTIVAL DO CRATO

por Cláudia Matos Silva, em 25.06.14

30º FESTIVAL DO CRATO | CARTAZ FINAL

 

A melhor música ao menor preço!

 

Bilhetes já à venda

 

A 30ª edição do Festival do Crato conta com um cartaz de luxo, do qual fazem parte artistas como, Aloe Blacc, Anselmo Ralph, Gisela João, Inner Circle ou Miguel Araújo, prometendo assim ser uma das edições mais aliciantes e abrangentes de sempre. Fica também demonstrando que o Festival do Crato é um evento único, dedicado a vários públicos e gostos musicais.

 

De 27 a 30 de agosto não há som ou ritmo que não vá passar pelo Crato: da música de dança ao fado, da soul ao reggae, do rock ao hip hop.

 

O festival apresenta três espetáculos por noite, sempre com início marcado para as 21h30. No dia 27, o dia de abertura, as honras ficam a cargo da Filarmónica do Crato, Ar de Bluesy- Tributo a Rui Veloso e Carlos Té, Gisela João e Aloe Blacc. Seguem-se, no dia 28, as atuações de Dengaz, Inner Circle e Natiruts. Capitão Fausto, Miguel Araújo e Anselmo Ralph têm presença confirmada no dia 29. Encerram o festival, no dia 30, The Happy Mess, We Trust e The Hives. Para além dos concertos, o Festival do Crato proporciona ainda animação pela noite dentro com os DJ Nuno Luz , DJoana, DJ Wilson Honrado, DJ Chumbo, DJ Ana Isabel Arroja e DJ João Vaz.

 

Aquele que é já conhecido por ser o festival de verão mais económico do país constitui igualmente uma excelente montra para a gastronomia e o artesanato alentejanos, além de ser um pretexto excecional para conhecer e desfrutar de uma região manifestamente ímpar pelas suas gentes, tradições e paisagem.

 

A comemorar os 30 anos de existência, o Festival do Crato distingue-se mais uma vez no âmbito da programação cultural a nível regional e nacional.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marx na Baixa» no Teatro A Barraca

por Cláudia Matos Silva, em 25.06.14
A partir do texto “Marx in Soho” de Howard Zinn
Duração: 70 minutos
Interpretação: André Levy
Encenação: Mafalda Santos
Direcção técnica: João Barreiros
Tradução e adaptação: António Santos
12-29 Junho no Teatro A Barraca
Quinta, Sexta e Sábado às 21:30 e Domingo às 16:30
Bilhetes 6 euros
Descontos 20% para estudantes, + de 65 anos, cartão de sindicato, cartão de comissão de trabalhadores 50% para grupos com mais de 20 pessoas
Reservas: marxnabaixa@gmail.com ou 965302056 ou 929403193
De Marx in Soho a Marx na Baixa
Marx marca de forma indelével a narrativa histórica do século XX. A sua filosofia inspira revoluções, redesenha fronteiras e agita, com a promessa de um mundo novo, os corações da humanidade inteira. Mas se 130 anos depois da sua morte o capitalismo triunfante garante tê-lo varrido para debaixo do baú das antiguidades filosóficas, porque será necessário declará-lo morto uma e outra vez? É para responder a esta pergunta que Karl Marx, em licença de uma hora, regressa ao mundo dos vivos. Marx in Soho, foi escrita em 1999 por Howard Zinn (1922-2010), historiador e dramaturgo norte-americano, mais conhecido pela sua autoria da "História dos Povos dos EUA". As suas obras foram distinguidas com dezenas de prémios, entre os quais o Thomas Merton Award, o Eugene V. Debs Award, o Upton Sinclar Award e o Lannan Literary Award. De estivador a doutor pela Columbia University e professor catedrático, o percurso de vida de Howard Zinn é indissociável do seu compromisso para com a justiça social e a simpatia pela causa dos humilhados.
Dizia Goethe que na impossibilidade de ser imparcial, vale mais a pena ser honesto. Marx in Soho é isso mesmo: tão parcial como sincera, tão política como verdadeira. Traduzida para dezenas de línguas e levada à cena em mais quinze países, Marx in Soho é uma crítica mordaz às hipocrisias e injustiças dos nossos tempos; uma fotografia vívida e apaixonante de Marx como a voz de uma humanidade insubmissa perante a iniquidade. O Marx de Soho não é uma caricatura nem um ídolo de barro. As mãos habilidosas de Howard Zinn historiador e activista modelaram um Karl Marx além da figura histórica, que é também um pai carinhoso, um marido dedicado e um crítico surpreendentemente lúcido do mundo actual. Mas Marx in Soho não nos oferece apenas uma original síntese dramática da filosofia marxista. Sustentado por uma investigação histórica de vários anos, Zinn foi capaz de reimaginar a personalidade, a vida e os dramas de um Karl Marx completamente humano. Este é o Karl Marx que bebe cerveja e sofre de furúnculos; Permanentemente exilado e procurado pela polícia, apaixonado pela sua mulher Jenny, desempregado e sem dinheiro para sustentar os filhos. Este é o Karl Marx verdadeiro, irascível e brilhante, que vê morrer três dos seus cinco filhos em condições miseráveis e que, apesar de tudo, nunca perdeu a esperança num mundo mais justo.
À deriva do seu animado monólogo, Karl Marx partilha com o público detalhes da sua vida íntima, comenta os grandes acontecimentos históricos da sua época, imiscui-se provocadoramente na nossa e apresenta-nos personagens deliciosas como o intempestivo anarquista Bakunin, a precoce revolucionária Eleanor ou o potencial burocrata Peeper. Howard Zinn dizia com propriedade que esta não é uma peça sobre política. É uma peça sobre Marx. É essa subtileza que confere a força e graciosidade necessárias a que, independentemente das opções políticas de cada um, ninguém fique indiferente a um Marx ora embalado pela esperança, ora dilacerado pela culpa, ora consumido pela tristeza, ora incendiado de raiva.
 
A relevância de uma peça ou a urgência de uma adaptação
Mas, por um erro burocrático das entidades do além, Karl Marx não aterra no Soho, Londres, que originalmente planeava visitar, nem no Soho, New York, onde em 1999 Zinn o colocou, mas em Portugal, no ano de 2014. "Marx na Baixa” não é só a primeira tradução desta peça para língua portuguesa nem tampouco só a primeira vez que subirá aos palcos em Portugal, é a completa adaptação do original aos nossos dias e à realidade política e social que o nosso país atravessa. A transformação do texto original incide em grande medida sobre três vectores: a actualização de comentários e notícias que desde 1999 perderam relevância; a adaptação a Portugal das referências à política e cultura norte-americanas e, por fim, a suavização de alguns matizes políticos a que o curso da História obriga.
Um fantasma assombra os teatros! Podem as classes dominantes tremer ante o seu regresso: Karl Marx visita Portugal em 2014! “Marx na Baixa”, com encenação de Mafalda Santos e direcção técnica de João Barreiros, a tradução e adaptação (António Santos) do original de Zinn, pisa pela primeira vez os palcos portugueses. Munido de boa cerveja portuguesa e um acervo de jornais do dia, Karl Marx (André Levy) visita Portugal para nos dizer de sua justiça, para nos contar uma história ou duas sobre a sua vida e para discutir as notícias que a espuma dos dia traz a Portugal, mas também para defender a sua honra e nos desafiar a defender a nossa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Moullinex no CCB, 6ª feira

por Cláudia Matos Silva, em 25.06.14

 

Junho de 2014, muita coisa acontece no mundo de Moullinex: dois concertos em formato banda (dia 21 na Casa da Música, Porto, e 27 no CCB, Lisboa) e dois novos singles - “Love Magnetic” a editar dia 13 de Junho na Gomma e “In The Shade” a meias com os Best Youth, ao mesmo tempo que a remistura oficial do novo single de Royksopp & Robyn “Do It Again” ganha dimensão estratosférica. Tudo isto enquanto prepara o segundo álbum a sair no fim do ano.

 

"Love Magnetic" é uma manifestação da vocação dançante de Moullinex. Neste que é o primeiro original a ser revelado desde o último disco "Flora", um beat e linha de baixo contagiantes convivem com uma voz planante. O single conta também com outro tema, "Time and Tide", igualmente dançável mas perfeito para passeatas cósmicas pelo amanhecer.

 

São dois concertos especiais em duas salas importantes e que não só resumem o passado recente como mostram o que está para vir. Em formato banda, Moullinex, conta com Bruno Cardoso (ex-Vicious Five e que responde como Xinobi, enquanto produtor e DJ) e Miguel Vilhena (por detrás do projecto Savanna). Os convidados são especiais: em Lisboa, Iwona Skwarek (dos polacos Rebeka) que cantou em três temas de “Flora”, em Lisboa, Ed Rocha e Catarina Salinas, dos Best Youth, para “In The Shade”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

White Haus no Music Box, 5ª feira

por Cláudia Matos Silva, em 25.06.14

WHITE HAUS APRESENTA DISCO

26 DE JUNHO, QUINTA-FEIRA, 22H30M, MUSICBOX, LISBOA

BILHETE SIMPLES: 6€/ BILHETE + CD: 10€

 

No álbum de estreia de WHITE HAUS, João Vieira aponta para o futuro ao convocar Disco não Disco, e seus afluentes mais ou menos cósmicos, mais ou menos Ítalo, Pós-Punk e Synth-Pop, Electro e Proto-Techno, Acid House e Prince, para os conjugar num todo coerente e altamente personalizado.

 

Se a gravação do álbum foi um processo solitário, os concertos de apresentação não poderiam ser. João Vieira chama ao palco músicos que o ajudam a passar aos presentes os ambientes que criou e que agora levantam voo e nos transportam para longe…

Autoria e outros dados (tags, etc)


Copy/Paste como o nome indica não tem conteúdos próprios. É meu compêndio virtual, conjunto de notícias selecionadas sobre o que se vai passando no mundo. As fontes estão citadas na seguinte lista.

CLIPPING NEWS

Sources:

Boas Notícias 

Notícias ao Minuto 

Diário de Notícias 

Público 

Correio da Manhã 




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Website counter